segunda-feira, 30 de novembro de 2015

Sobre a personalidade do Lorenzo ( 2 anos e 3 meses)

   Primeiramente desculpe pelo sumiço,mas como tem algumas mamães pedindo pra mim voltar a escrever, eis me aqui. rs
Bom, vou falar um pouco sobre a sua personalidade,quando ele era bebê não ia com quase ninguém,era chorão e só queria o colo de pessoas próximas, de preferência o da mamãe. Mas a partir de 1 ano e 5 meses mais ou menos,isso mudou. Lorenzo é uma criança simpática ao extremo,muito falante,fácil de fazer amizade principalmente com adultos,uma criança muito alegre sorridente  educada que chama atenção por onde passa por sua inteligência e carisma. Eu mesma me surpreendo a cada dia,porque ele é totalmente o oposto de mim, mas nisso ele puxou ao pai. rs
Ele demorou pra andar, mas em compensação fala desde os 11 meses, e você pensa que ele conversa palavras erradas,fala coisa com coisa? não, com 2 anos ele já falava quase de tudo, formava as frases, contava historia, pra contar historias ele se embaralha um pouco,mas são coisas que as pessoas consegue entender, ele não tem o linguajar de uma criança normal, ele não troca as letras ele fala correto, e isso que acho um máximo. rs
 Ele também é uma criança muito carinhosa,ao extremo, fala que me ama o tempo todo, e fala também pras pessoas que ele convive,me abraça,beija e quase não me chama de mamãe, só VIDA e não eu não ensinei, é que eu chamo ele algumas vezes de vida, ai ele aprendeu, e ninguém tira mais. Outra coisa que não sou é melosa como ele é.
Mas como nem tudo são flores e algo tem que parecer com a mamãe. rsrsrs
Ele quando fica nervoso, fica agressivo, coisa passageira,porque entende quando eu digo que não pode, agora também ele ta com a mania de morder, mas também nada exagerado,fora de controle, acredito que é essa tão temida adolescência do bebê. Vejo crianças muito piores, agradeço a DEUS por ele não ser igual varias crianças que já conheci, mas também não julgo essas mães porque cada criança se desenvolve de um jeito. E só nos que temos criança com essa idade em casa, sabe que não fácil. rsrs
 ELE também é bem diferente de mim, no quesito se defender, quando uma criança bate nele, ele não revida, ele aponta o dedo pra criança e diz que não pode fazer aquilo, porque papai do céu não gosta, e corre pro meu colo. rsrsrs
Acredito que ele é assim pelo fato de conviver muito com adultos, mas gostaria de conhecer outras crianças que tem mais ou menos a personalidade do meu filhote.♥



Adolescência do bebê: a terrível crise dos 2 anos

 Seu filho anda apresentando traços de rebeldia chegando perto dos 2 anos? Acredite: você não é a única que passa por isso! Saiba por que ocorre essa mudança de comportamento.

  O fenômeno é comum e tem até nome: adolescência do bebê. É quando a criança se dá conta de que é um indivíduo e luta para conquistar o seu espaço – gritando, batendo nos outros ou se jogando no chão. Cabe aos pais ter muita calma, paciência e ensinar que esse comportamento não leva a nada. Em outras palavras, estabelecer limites. Para ajudá-la a lidar com essa situação tão complicada, conversamos com a psicopedagoga Larissa Fonseca, de São Paulo.

 1. O que é a chamada “adolescência do bebê”?

Normalmente, acontece a partir de 1 ano e meio até os 3 anos de idade.


3. Existe alguma causa?

 A causa para esse período é simplesmente o próprio desenvolvimento natural da criança. A fase dos 2 anos de idade é um período de grandes mudanças para ela. Até então, o pequeno seguia os modelos e as decisões dos pais. Gradualmente, ele passa a se perceber como indivíduo, com desejos e opiniões próprias, e isso gera uma enorme necessidade de tomar decisões e fazer escolhas por si. Sem dúvida, isso acaba gerando uma grande resistência em seguir os pedidos dos pais. Não é exatamente uma ação consciente da criança, mas uma tentativa de atender a esse desejo interior, a essa descoberta de si como um ser independente dos pais. No entanto, ao mesmo tempo em que ela quer tomar suas decisões, ainda tem muitas dificuldades para fazê-lo, dado que ainda não tem maturidade suficiente. Ela discorda até dela mesma! Se você pergunta o que ela quer comer, naturalmente ela responderá: “Macarrão”. Mas, quando você chega com o prato de comida, ela diz: “Eu não quero isso!” Suponha que você está com pressa para ir a algum lugar. Seu filho está de ótimo humor até você dizer: “Preciso que você entre no carro agora”. Ele fará tudo, menos atender a sua solicitação. É uma fase difícil para os pais e também para os pequenos. É uma experiência intensa emocionalmente e repleta de conflitos, pois, ao mesmo tempo em que a criança busca essa identidade, ela não quer desagradar seus pais — por mais que isso não pareça possível.

4. Existe alguma maneira de evitar que o bebê passe por isso?

Não há a necessidade de tentar evitar esse período e nem há como fazê-lo. O importante é conhecer e lidar de modo construtivo com essa fase dos pequenos.

5. Todas as crianças passam por isso?

 Não é uma regra. Algumas crianças demonstram essas características mais intensamente do que outras.

 6. Como agir quando a criança se joga no chão e grita em um lugar público, como o supermercado ou o shopping?

  Primeiramente, descarte palmadas, tapas, puxões de orelha ou qualquer outro comportamento agressivo para tentar conter uma birra. Antes de sair, converse com o seu filho e o contextualize sobre o passeio. Se for supermercado, por exemplo, diga como espera que ele aja, o que ele poderá pegar para si etc. Se forem a um restaurante, faça o mesmo, explique aonde vão, como espera que a criança se comporte e as consequências para o seu mau comportamento. Jamais ceda às manipulações, como choros, pedidos de ajuda e reclamação de possíveis desconfortos. Avise-o de que só vai conversar depois que ele se acalmar. Opte por disciplinar a criança após a birra, que é o momento em que ela está colocando para fora sua frustração e seu descontentamento. Após ela parar de fazer a birra, você se abaixa para conversar. É sempre muito importante que a criança compreenda o que fez e o porquê de sua ação. Evite dar broncas e repreender seu filho na frente de outras pessoas para que ele não se sinta constrangido e você também. Uma dica bacana para mudar o foco da birra é chamar a atenção da criança para outra situação. Mostre um objeto ou comece a falar de outro assunto. Ignorar a birra costuma dar ótimos resultados. Em lugares públicos, se a birra persistir e você estiver se sentindo constrangida, tire o seu filho do ambiente sem demonstrar irritação e sem conversar. Sua atitude mostrará desaprovação.


7. O que fazer quando o pequeno bate nas pessoas quando é contrariado?

  Esse “bater” normalmente é a expressão do seu descontentamento, o que, no caso, não é aceitável. É importante ressaltar que as crianças, assim como nós, adultos, também ficam bravas, tristes, frustradas e chateadas — isso é natural do ser humano. Ao longo da vida, ela vai se deparar com diversas situações que despertarão esses sentimentos nelas e a infância é a melhor fase para aprender a lidar com esses sentimentos inevitáveis. Assim, se quiserem contribuir de modo positivo com o desenvolvimento emocional e psicológico dos pequenos, os pais devem parar de tentar poupá-los de situações frustrantes e passar a explicar esses sentimentos, apontando caminhos para que consigam lidar com eles. A criança não nasce sabendo lidar com seus sentimentos, ela testa suas ações e vai construindo seus modos de agir.
 uando ela bate em alguém, imediatamente deve ser contida e, em seguida, os pais devem abaixar-se na altura da criança, olhar fixo em seus olhos e com voz firme conversar que entendem que o pequeno esteja bravo, mas que sua atitude é inaceitável. Explique que, se aquilo voltar a acontecer, haverá consequências negativas para ela, citando quais serão. Lembre-se de que essas consequências deverão ser algo possível de ser feito porque, se a criança repetir o comportamento desaprovado, você deverá cumprir o que falou.


8. E quando a criança bate com a cabeça na parede ou faz coisas para se machucar porque ouviu um “não”?

  Em geral, as crianças recorrem a esse tipo de autoagressão como mais uma tentativa de conseguir a atenção dos adultos e, quase sempre, conseguem porque descobrem que esse comportamento provoca comoção nos pais. Por mais que possa preocupar, os pais devem manter a ideia de que “sem plateia não há show”. O ideal é conter a ação da criança sem dar atenção ou demonstrar comoção pela atitude. Você pode, por exemplo, colocar um travesseiro ou uma almofada embaixo da cabeça dele e sair de perto, ou tire o pequeno do local onde está sem conversar e coloque-o em um ambiente mais seguro. Sem conseguir chamar sua atenção com a autoagressão, a criança vai buscar outras possibilidades, como apagar e acender a luz, ligar e desligar equipamentos eletrônicos etc. Só fique atenta para a possibilidade de esse comportamento estar refletindo algum problema emocional, que, aí sim, merece a atenção dos pais.
Se a criança começar a apresentar comportamentos autodestrutivos, como se arranhar, bater em sua cabeça e puxar os cabelos, frequentemente em situações cotidianas, vale a pena consultar um especialista porque isso pode indicar uma tentativa da criança de evitar o contato com algo que esteja lhe causando angústia.

 Fonte: www.abril.com.br

segunda-feira, 26 de janeiro de 2015

1 ano e 5 meses do Gordelicía

Olá pessoal faz 5 meses que não escrevo aqui no blog,estou bem desnaturada. rrsrs
Vou tentar fazer um resumo desses 5 meses do gordelicía, ele é uma criança super saudável,educada,não tem vergonha de nada sai na rua e acha que conhece todo mundo,conversador demais,igual ao pai,mas também sabe ser birrento quando quer,e é muito nervoso como eu. :(
Ele andou com 1 ano e 1 mês, fala papai e mamãe desde os 10 meses as outras palavras ele foi aprendendo depois que começou andar,fala quase tudo gente,é muito incrível,onde eu vou ele chama atenção de todos com seu carisma, e sua inteligencia e é claro que a mamãe baba muito. Ainda mama no peito,come muito bem,odeia refrigerante,e sucos o negocio dele é só a água graças a DEUS! Cada dia é uma coisa nova  cada dia fico mas apaixonada e grata ao meu senhor JESUS que me deu esse presente tão lindo pra alegrar minha vida! ♥